Excerpta Bibliographica Ex Bibliotheca Columbina

Demorámos em Sevilha desde 17 de Maio até 6 de Junho de 1924, frequentando diariamente a Columbina durante as quatro horas em que está aberta à leitura pública. Devemos ao seu diretor, D.S José Moreno Maldonado, e especialmente aos bibliotecários, D.S Santiago Montoto, herdeiro no sangue e no espírito do patriarca das letras sevilhanas, D.S Luís Montoto, e D.S Rafael Nunes y Alonso, os melhores agradecimentos.

O nosso trabalho teria sido menos profícuo se não nos tivessem dispensado fidalgamente todas as facilidades compatíveis com os seus deveres, dos quais são tão inteligentes cumpridores, que, se a Columbina através dos tempos tivesse tido funcionários como os de hoje, o generoso propósito de Fernando Colombo seria uma realidade. Forçado a dar por terminada a missão, com prejuízo de estudos que só in-loco, talvez possam ser feitos, e sem ter podido indagar do paradeiro atual do Libro de poesias castellanas de arte mayor, dedicadas ai rey D.S Alonso V de Portugal , e dedicar ao riquíssimo Archivo de Indias mais do que as escassas horas dumas visitas , regressei a Portugal na convicção de não ter perdido o tempo. O presente trabalho é dividido em duas secções — Manuscritos e Impressos — sendo numeradas seguidamente todas as espécies citadas, sem prejuízo da relativa independência de alguns estudos, que levam título próprio.

a) MANUSCRITOS

1 — INFANTE D. HENRIQUE — Secreto de los secretos de astrologia.

Esta obra do Infante D. Henrique, sem dúvida de valor histórico-cultural e que talvez tivesse o mérito de colocar o Infante no ponto de vista literário ao lado dos autores do Leal Conselheiro e do Tratado da Virtuosa Bem feitoria, não existe hoje na Columbina.

Os bio bibliógrafos do Infante D. Henrique anteriores à publicação do tomo II (1866) do Ensayo de una Biblioteca... de Gallardo, que nele inseriu um extrato do Registrum da famigerada livraria (cols. 515 e segs.), não acusam este livro; mas a sua existência não pode ser posta em dúvida, pois Fernando Colombo deixou-nos indicações seguras do exemplar que possuiu. No Registrum, n.° 4.129, lê-se: «Libro en espafiol de mano llamado secreto de los secretos de astrologia cõpuesto por el Infante don eurriq de Portogal.—I — aqui se comiença vn libro c7 se llama segredo — d — a dios fazer como su md [merced] fuere a dios gras. es en 4.° Costo en salamãca tres reales a — 21 — de Abril de 1525».

O Abecedario confirma esta descrição, segundo o que se lê na col. 552: «Enrricus a portugalia in secretis secretorü astrologie hispanice et manu scriptis 4129». Terá sido consumido pelo tempo, ou deslocado para uma desconhecida biblioteca pública, conventual ou particular? Existirá, sequer ao menos, uma cópia? O que pudemos apurar limita-se a bem pouco: o seu desaparecimento da Columbina deve ter-se dado no séc. XVI ou XVII, pois os inventários post-columbinos de Juan de Loaysa (1684) e de Diego Alexandre de Galvez (1783) já o não mencionam.

Dum outro exemplar há notícia: o que possuiu o erudito historiador e poeta sevilhano Gonzalo Argote de Mofina . O seu paradeiro também não é possível surpreender, dispersa como foi a livraria do diligente e acurado antiquário . Habent sua fata libelli, costuma dizer-se; mas os fados parecem adversos não apenas à obra do Infante, mas também à curiosidade culta, não havendo sagacidade, diligência ou estudo que esclareça os passos dos que anseiam devassar o segredo que o registo columbino nos legou.   

Seria um tratado de astronomia, misto de ciência e dessas horríveis ingenuidades astrológicas, como tudo leva a crer? Seria uma compilação inspirada no De secretis secretorum, atribuído falsamente a Aristóteles?

2 — ABRAHÃO ZACUTO — Tratado breue en ias influencias dei cielo.  

No atual catálogo de ms. da Columbina deparou-se-nos o verbete: Abraham Zacuto — Tratado de ias influencias dei cielo compuesto por mandado dei Maestre de Alcântara D.S Juan de Zuniga. I. vol. sig. XV ou XVI.  

Examinando este manuscrito do celebrado rabino, apurámos que estava inédito e correspondia ao volume descrito no Registrum, n.° 4.174: Abrahe zacuti tractatus Astronomie manu et hispanico sermone scriptus. Diuiditur in tres partes quarum quelibet in capitula epithotica subdiuiditur. 13.a pars est tantum modo aliarum duarum sequentium declarativa. 2. a tractal de his que medico secundum diuersas egritudines veniunt consyderanda. 3.' vero universaliter docet quid ccelestia corpora influant in hec inferiora. In principio huius operis habetur quoddam receptum pro fistulis ah ore vel gutture remouendis. Postea sequitur quoddam fragmenta de mora infantis in vtero matris. Prima pars trium predictarum. In — Primero es de saber — tertia et vitima — D — aquella Revoluçion con aguei luminar. In fine huius operis habentur quedam fragmenta Gasparis torrela docentia quod signum super quam corporis partem dominetur. In — sic sculpantur — D — in eo non morabitur. Est in 4.0 Costo en Seuilla por Junio de 1527 34 mrs.      

Segundo esta descrição, o tratado de Zacuto era precedido «quoddam receptum pro fistulis ah ore vel gutture removendis» e «quoddam fragmenta de mora infantis in vtero matris» e seguido duns fragmentos astrológicos duma obra de Gaspar Torrella. No ms. atual, que deve ser o colombino, não existem estas duas partes, mas conserva-se integralmente o tratado de Zacuto, pois tanto o incipit como o explicit apontados por E Colombo concordam com o início e final do tratado propriamente dito. É um ms. de papel em 4.° de 64 fls. sendo 2 brancas, constituindo portanto um vol. de 128 págs. O tratado começa em pág. 5, contendo as págs. 1-4 a justificação do assunto e motivos por que Zacuto o escreveu. São os seguintes:      

«e por esto cl muy magnifico y de grãd linaje yllustre mi sefior el maestre de alcantara don Ri de çufijga amador de todas las sciencias y sabidor en ellas 4 a su fama todos los sabios y letrados dexan sus tierras y su nascimiento por buscar sosiego verdadero y perfection conplida que a su causa se esfuerçan ias sciencias y sus letrados y an rrefrigerio y remuneracion y pueden por cierto dezir todos los sabios lo 4 dixo la rreyna saba por el Rey salomon. Aumentaste sobre tu fama bien aventurados tus semi-dores los que estan a oyr tus palabras. E ouo por bien mandar a mj Rabi abraham zacut de salamanca astrologo su criado que conpusiese vn tratado breue en las ynfluencias dei cielo para que con este mas se ayudasen los medicos de su serioria sy fueren astrologos...»

O tratado contém 3 partes:

«a primera sera como yntrodutorio y prohemio pera las otras dos partes que es en saber las conplisiones de los signos y de las planetas y sus dignidades y de algunas estrellas principales de ia octaua y en que signo estan y que conplision tienen y de todas las otras cosas semejantes a estas.

«a segunda parte tractara en todas las cosas que son nescesarias de guardar a los medicos y se aprouechar desta sciencia.

«a tercera parte tracta en las cosas vniversales por la conplision dei tiempo y la mutacion dei ayre y de ias veynte e ocho mansiones de ia luna y de los nascimientos de los hombres Reglas uniuersales por no negar a ptholomeo que dixo el astrologo no diga las cosas particulares antes uniuersalmente como aquel que uee ias cosas de lexos y por esto los juyzios son entre nescesario y posible».

Termina:

« aq se acaba el tratado. Dios sea loado por sièpre amê: como qujer todo esto sea escrito el anima sabia segud q dize ptholomeo puede privar y quitar ias ynfluencias dei cielo ¶ y sega ley las oraciones y servir a dios mucho mejor lo puede hazer como dixo daujd en tu mano mjs oras escapame de poder de mjs enemjgos y perseguidores ¶ dixo mas muchos males ai justo y de todos ellos l[e] escapa el senor.


?>
Vamos corrigir esse problema